Páginas

domingo, 24 de maio de 2009

Fim de Semana F1 2009 - Mônaco(Corrida)


RIO DE JANEIRO - 5 vitórias em 6 corridas. Assim continua o reinado de Jenson Buttão, que todo mundo já julgava carta fora do baralho ano passado(eu incluso). De estacionar o carro com início de incêndio em Interlagos ano passado, até dominar a corrida na Austrália esse ano, Jenson Button vem abrindo cada vez mais um caminho aparentemente garantido ao título. A única pessoa que vejo que seria capaz de fazer alguma coisa é Rubens Barrichello, mas com 16 pontos de diferença e depois da apresentação fraca na Espanha, a preferência vai ser quase toda do inglês, e Rubens não pode dizer que estão o garfando: está claro que Button está andando mais do que ele.
Imprimiu o ritmo que quis, abriu 16 segundos nas primeiras voltas, e depois simplesmente administrou a corrida. Bela vitória do inglês, e mais um dobradinha da Brawn.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Tony Stark Em Mônaco


RIO DE JANEIRO - Sim meus caros. O GP de Mônaco deste ano será prestigiado por ninguém mais ninguém menos que Tony Stark. Explica-se: algumas cenas de Homem-de-Ferro 2 serão filmadas durante o fim de semana de corrida, segundo o site MaPrincipaute. E diz o mesmo site que trabalhos pesados de efeitos especiais serão usados na cena, e que uma parte do circuito de rua do principado foi reconstruído num estúdio em Los Angeles. Só eu estou imaginando alguma loucurar como um carro amarelo e vermelho da Stark Racing?

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Sainz Nos Sertões



RIO DE JANEIRO - A Volkswagen confirmou o retorno ao Rali dos Sertões. E para garantir mais ainda a vitória(como venceram no ano passado), vão trazer no volante de um dos Touaregs ninnguém mais ninguém menos que Carlos Sainz, bicampeão do WRC(1990 e 1092) e alien natureza. Se não encontrar de novo um abismo travestido de buraco como no Dakar esse ano, vai levar o Sertões com a mesma facilidade com que estava ganhando o Dakar.
Um nome como Carlos Sainz só traz ainda mais prestígio ou já famoso rali, que infelizmente não retrata a realidade não só do rali como do automobilismo em geral.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Voltou Atrás?

RIO DE JANEIRO - Primeira vítima real da crise do fim de 2008 na F1, Aguri Suzuki agora diz que quer voltar à categoria, após sair cuspindo farpas sobre o "circo de piranhas". Pra explicar melhor, voltemos uns 2 ou 3 anos no tempo...

Era uma vez uma montadora japonesa, que resolve criar um time-satélite para manter o piloto-ídolo do Japão(Takuma Sato) na categoria. Para comandar a barca chamam Aguri Suzuki, ex-piloto de F1 e chefe da renomadíssima ARTA, que fundou juntou com Keiichi Tsuchiya em 2001, na Super GT. Aos trancos e barrancos, com um carro com 4 anos de defasagem dos outros, vai pra pista. Um piloto, o lunático Yuji Ide, conseguiu ser muito ruim, mesmo pros padrões dos japoneses que já passaram pela categoria, e teve sua Super Licença cassada com apenas 4 corridas. E assim foi o primeiro ano. Em 2007, o time principal, com um projeto ridículo em mãos, começa a levar pau da pequena Super Aguri, com muito mais criatividade e molejo na hora do sufoco. Enquanto a Honda brigava pelas últimas posições, Aguri-san colocava seus carrinhos, vejam só, para brigar por pontos. Não, não podia, jamais. O time fica proibido de usar melhorias aerodinâmicas, e o suporte financeiro é fechado. Aí a casa começou a cair.
E finalmente, o golpe final. No meio da temporada passada o time foi proibido - por, adivinhem quem, Nick Fry - de entrar no autódromo. Com a falta de um suposto apoio de um grupo de investidores, o time fecha de vez.

Contei essa coisa toda pra justificar que o pobre Aguri-san tem sim razão. Não em esculhambar todo mundo, mas em esculhambar Ross Brawn em parte, e principalmente, Nick Fry. Agradecido à Honda, e com ódio profundo do fuinha, tenho certeza. Leiam abaixo:

"Não entendi porque Nick Fry tem, de repente, necessidade de comentar tudo. A Honda sempre nos apoiou e ele não é o presidente da montadora. Por isso, não tenho interesse nele e não tenho idéia sobre o que ele estava falando."

Por mim, torço pra que Aguri-San volte atrás mesmo, e que monte de novo seu time, assim como todo mundo que diz querer botar um carro na categoria. Mas que dessa vez traga um nome vencedor: Autobacs Racing Team Aguri, vulgo ARTA.

domingo, 3 de maio de 2009

Porque Ontem Foi 2 de Maio

RIO DE JANEIRO - Diante de toda a comoção ufanista pelos 15 anos da morte de Ayrton Senna, um dado relevante, principalmente aos rallyzeiros de plantão: ontem, 2 de Maio, fez 23 anos que morria Henri Toivonen, e a história está contada em detalhes no blog Um Desenho Uma História.
Toivonen foi uma promessa perdida, um dos melhores pilotos que já saiu da finlândia, que já fez "apenas" 14 pilotos campeões do WRC. E tem uma histórinha bem curiosa sobre os dois pilotos. Basta ler a reportagem da foto.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

O Cara Do Capacete Amarelo

RIO DE JANEIRO - Era uma vez um garotinho que gostava de automobilismo desde pequeno. A corrida mais antiga que lembra de ter visto tinha 3 anos, e com certeza já via antes, vindo de uma família que - assim como praticamente todo brasileiro na época - tinha como programação no Domingo assistir à Formula 1, isso já na época dos primeiros títulos do Piquet. Mas para aquele garotinho só havia um que sempre foi o melhor: o cara do capacete amarelo. Paixão incondicional mesmo, das brabas. À bordo de seu carro vermelho e branco, o cara do capacete amarelo encantava o pequeno já apaixonado por corridas. Era rápido, invencível, nada segurava o cara, não importava quem mais estivesse correndo, principalmente as Williams que ele detestava quando ganhavam dele. Na chuva então, simplesmente destruía: enquanto todos paravam desesperados pra trocar de pneus ele ainda dava 3 voltas com os pneus slick, palavra que ele já havia aprendido a falar. E eis que um dia, num Domingo como outros, o cara do capacete amarelo se estatelou num muro. Sua irmã mais velha, inconsolável no sofá, chorava copiosamente. E de uma hora pra outra, ele se foi. Diz a mãe do garotinho que ele passou boa parte daquela semana sem falar muito, do alto de seus quase 8 anos de idade, provavelmente meio inconsolável com a morte de seu super-herói. E foram-se as manhãs de festa, a empolgação com os atos de quase loucura dentro de um carro de corrida. Mas automobilismo é maldito, e a cachaça depois que entra no sangue não sai nunca mais, e o garoto cresceu sem deixar de gostar e de acompanhar. Cresceu, e a paixão aumentou cada vez mais. Viu outro mito nascer, se aposentar, e aprendeu que nem sempre se torce desesperadamente pelo piloto do próprio país, e por isso mesmo, o mundo inteiro idolatrava o cara do capacete amarelo, especialmente os nipônicos, onde o cara é quase uma divindade, e vez ou outra se pega escorrendo meia dúzia de lágrimas ao ver alguma coisa do seu grande herói de infância. Hoje o garoto, este que vos escreve, largou estudava Engenharia, estuda Jornalismo. Tudo culpa de seu herói de infância, o cara do capacete amarelo.

video